Respeitar a Vida dos Animais Acima de Tudo!

Você certamente sabe que o tipo de bicho que escolhe para ser seu companheiro, tem a ver com sua personalidade, mas, para eles, isso tem menos importância que a construção da relação.

Em outras palavras, os animais não nos julgam pelas nossas eventuais falhas de caráter, mas, podem nos “julgar” pelas eventuais falhas de compreensão. Ter um bicho, é ter uma responsabilidade e é importante lembrar disso.

Ninguém é obrigado a adotar ou comprar um gato, cachorro ou papagaio – muito menos este último; mas, uma vez que adquirimos, seja como for, é bom assumir a responsabilidade por completo.

Muitas pessoas preferem os mamíferos, pois tem a sensação de que há uma maior interação com eles, o que nem sempre é verdade.

Basicamente, porque a interação depende mais de nós do que pode parecer à primeira vista. Quantas vezes você já não viu um “vira-latas” preso no fundo de um quintal, sem maior interação que um prato de comida eventual?

Quando se fala de pássaros então, o problema ganha uma dimensão maior. Por ficarem usualmente em gaiolas, alguns “donos” os tratam como plantas mal regadas.

A importância de entender seu companheiro: ele te entende de volta!

Como qualquer animal, pássaros exigem cuidados, ainda que estes sejam poucos. Que sentido há em ter um Canário Belga, por exemplo, mas, não tratá-lo adequadamente?

Quando se compra um desses bichinhos, o pressuposto básico é que se estabelecerá uma relação afetiva entre as partes. Como um contrato de amor incondicional.

O pequeno animal certamente saberá o que fazer se for bem tratado. Resta saber se o “dono” está preparado para cumprir as sua tarefas.

Na verdade, em termos ideais, esta não deveria ser uma questão. Como dissemos, ninguém é obrigado a adotar e manter um bichinho.

Uma ave, como por exemplo as calopsitas, são tão sensíveis quanto os mamíferos, apegando-se facilmente aos donos e chegando a ficar depressivos caso fiquem muito tempo longe dos seus amados. Tê-los exige cuidados e uma boa dose de amor incondicional.

Adotando Pássarios

Sendo mais realistas ainda, as aves, de forma geral, não são tão complexos quanto gatos ou cachorros e é difícil entender como se pode pensar em tratá-los mal.

Não que seja compreensível com outros bichos, mas, repare na constituição frágil, na dependência estrita da alimentação e principalmente, na beleza do canto.

Toda a ideia da relação com um destes animaizinhos, está centrada no contato com uma parte da natureza. No estabelecimento de uma relação pura.

No entanto, é possível que nós, enquanto espécie, ainda não tenhamos evoluído o suficiente para perceber a importância disso.

Talvez por isso, alguns de nós ainda apresentem estes comportamentos desviantes, de difícil compreensão.

Como Adotar Animais

Após a infância, perdemos o direito de querer, sem carregar junto, as responsabilidades!

 O foco deveria estar nos benefícios para a saúde mental, que uma relação de cuidados de um passarinho pode proporcionar.

E não se trata de uma questão sobre que tipo de bicho é melhor ter. Isso depende de cada um de nós. Antes, se trata de não assumir responsabilidades que não se pode cumprir.

Crianças são especialistas em quererem bichos, mas, não cuidarem deles, porém, são crianças. Quando ficamos adultos, para sermos dignos deste epíteto, perdemos o direito a esta irresponsabilidade.

Quando for adotar ou comprar seu próximo companheiro, seja de que espécie for, procure pensar nisso. Certamente, seu animal de estimação terá um canto mais feliz.